Notas de Leitura

Mueenudin, Daniyal, Outros Quartos, Outras Maravilhas, Lisboa, Relógio de Água, 2011.

Mueenudin, Daniyal, Outros Quartos, Outras Maravilhas, Lisboa, Relógio de Água, 2011.

Daniyal Mueenudin é um escritor de origem paquistanesa, nascido nos Estados Unidos da América no início da década de sessenta do século passado. Este livro composto por oito contos, surpreende e seduz o leitor com uma escrita intensa, colorida e de uma fluência que nos fascina, até ao final. São pequenas histórias que ilustram a complexidade da vivência paquistanesa contemporânea. A figura de K.K.Harouni, um homem oriundo da cidade de Lahore e dono de vastas e ricas propriedades agrícolas na região do Punjab meridional, ao longo das margens do rio Indo, é o fio condutor destas oito narrativas, elo de união, direta ou indireta, entre os protagonistas de cada uma delas. A galeria de personagens divide-se em dois grupos distintos: por um lado, os serventes deste rico latifundiário, por outro, os membros da sua vasta parentela. Logo, são duas perspetivas da realidade paquistanesa que estão em confronto, duas mundividências: a dos miseráveis e a dos privilegiados. Dois mundos opostos que só se tocam em função da relação servil dos pobres perante os ricos, num país em que a existência de uma classe média estava reduzida a um pequeno número de famílias. Do lado da vivência dos servidores neste Paquistão ainda (quase) feudal, constatamos que as narrativas se estruturam em torno das duríssimas condições de vida destes homens e mulheres. Nawabdin, o electricista, Saleema, a criada doméstica, Nabi Baksh Jaglani, o administrador, Husna, a concubina, Rezak, o jardineiro, são os protagonistas de histórias, ora cruéis, ora profundamente irónicas. Do lado da vivência da parentela do rico latifundiário, vemos que os personagens em apreço - Sohail e Lily – tentam viver em função dos seus desejos e aspirações imediatas, num contexto social totalmente dominado pelo poder da família e pelo poder da tradição. No conto O Caso de uma Rapariga Queimada, relatado pela voz de um juiz do tribunal superior de Lahore, somos confrontados com os sinuosos meandros do exercício da justiça neste país. Um Paquistão, física e culturalmente, tão distinto e tão distante, que Daniyal Mueenudin nos dá a conhecer, com uma escrita sagaz e auspiciosa.