Notas de Leitura

Andresen, Sophia de Mello Breyner, Poesia; Coral; Mar Novo; No Tempo Dividido, Porto, Assírio e Alvim, 2013.

Andresen, Sophia de Mello Breyner, Poesia; Coral; Mar Novo; No Tempo Dividido, Porto, Assírio e Alvim, 2013.

Numa colecção dirigida por Carlos Mendes de Sousa, a editora Assírio & Alvim publicou quatro livros de Sophia de Mello Breyner Andresen, a saber: Poesia, Coral, Mar Novo, e No Tempo Dividido, prefaciados, respectivamente por Pedro Eiras, Manuel Gusmão, Fernando Martinho e Federico Bertolazzi.

Sophia é única pela limpidez e luminosidade da sua escrita. É a minha poeta de eleição, porque me revela a pureza e a plenitude da língua portuguesa, numa construção que nos expõe “o que está no mundo e já o excede: o que é denso, tenso, latente e pleno” [Poesia, p.16]. Porque a sua escrita, exacta e rigorosa, “investigando pela palavra a relação do homem com o real” [No Tempo Dividido, p.12], traz à superfície a beleza interior das coisas e magnetiza o leitor que, seguramente, não fica indiferente à complexa simplicidade da poesia de Sophia.

Deixo alguns excertos, absolutamente marcantes:

Liberdade

Aqui nesta praia onde

Não há nenhum vestígio de impureza,

Aqui onde há somente

Ondas tombando ininterruptamente,

Puro espaço e lúcida unidade,

Aqui o tempo apaixonadamente

Encontra a própria liberdade.

[in Mar Novo, p.44]

Numa disciplina constante procuro a lei da liberdade medindo o equilíbrio dos meus passos.

[in Coral, p.34]